Entre as alternativas estão cursos de gradução e pós, intercâmbio e bolsas esportivas

Nada como realizar uma viagem internacional e, no retorno, trazer na bagagem não apenas experiências e suvenires, mas também uma nova formação. Mais de 230 000 brasileiros deixaram o país em 2014 para estudar no exterior, número que cresceu quase seis vezes nos últimos dez anos, segundo dados da Brazilian Educational & Language Travel Association (Belta), a associação que reúne as principais agências nacionais de intercâmbio. O mercado paulistano representa quase um terço do total. “Mesmo em períodos de crise, como o que vivemos atualmente, investir em educação é uma necessidade”, afirma a presidente da Belta, Maura Leão. A soma não inclui pessoas que saíram por conta própria para frequentar universidades de ponta como Harvard, MIT, Cambridge ou Stanford. “Ter um currículo com passagem por uma instituição estrangeira significa estar alguns passos à frente dos concorrentes a uma vaga no mercado de trabalho”, diz Maurício Betti, diretor de novos negócios da MBA Empresarial, focada em levar pessoas daqui para esses centros de formação. Confira ao longo desta reportagem uma seleção de empresas, escolas e cursos que ajudam os interessados a estudar fora do país, nos mais variados formatos. Graduação O paulistano Thomas Meyer foi um dos 35 000 estudantes a enviar currículo a Harvard em 2016. Só 5% dos interessados serão aceitos na universidade americana. Aos 15 anos e no ensino médio da escola St. Pauls, nos Jardins, ele tenta aumentar sua chance com estudos para provas como Toefl (exame de inglês) e SAT (espécie de vestibular dos EUA). Desde fevereiro, frequenta a Upreps, que oferece aulas particulares por cerca de 5 000 reais ao mês. “Tenho 22 pessoas em lista de espera”, conta o professor David Butler. Atuando há 35 anos, a escola ajudou o pai de Thomas a conseguir vaga no MBA de Harvard, há trinta anos. “Ele puxa o aluno ao limite”, conta Fabrice Meyer. Outro curso preparatório, e gratuito, é o da Fundação Estudar: em 2015, 92% dos alunos foram aceitos em faculdades de excelência. Pós-graduação Focada em profissionais que desejam cursar uma pós-graduação em administração no exterior, a escola MBA Empresarial, com sede no bairro de Indianópolis, na Zona Sul, potencializa a chance de ingresso em universidades de ponta, ao indicar as instituições mais adequadas ao perfil do aluno. O curso preparatório, de 5 000reais, é composto de doze sessões particulares. O gasto aumenta bastante depois do ingresso na faculdade. Por um MBA em Harvard, por exemplo, é preciso desembolsar60 000 dólares anuais (cerca de 210 000 reais). Uma alternativa é procurar bolsas de estudo, que podem bancar esse valor parcial ou totalmente. Confira a matéria completa em Veja São Paulo: As escolas e empresas que ajudam os paulistanos a estudar no exterior. Todos os Direitos Reservados a Abril Comunicações S.A.