Quando recebemos a missão de escrever um artigo para o MEJ que entregasse um grande valor para as EJs, Federações e Núcleos, na hora veio a ideia de falarmos sobre um desafio enorme que compartilhamos com vocês: o de alcançar excelência para o atingimento de metas, seja de faturamento, projetos executados ou satisfação do cliente.

Falando um pouco sobre a Pipefy, nosso sonho é ser uma das principais empresas de tecnologia do mundo construída por brasileiros e com sede no Brasil. Hoje, mais de 20k empresas em 150 países já usam nossa plataforma e para conseguirmos manter nosso ritmo acelerado de crescimento, adotamos algumas práticas de liderança e uma metodologia que gostaríamos de compartilhar para que você também possa aplicar na sua EJ.

Independente do modelo de negócio da empresa, seja a gente como uma empresa SaaS (Software as a Service) ou as EJs como consultorias, o poder de execução é imprescindível para que a empresa cresça, sobreviva e alcance vôos cada vez maiores.

---

Nesse artigo, vamos contar como aplicamos a metodologia das OKRs para guiar o crescimento constante da Pipefy. Também vamos abordar algumas práticas essenciais que um líder pode aplicar para engajar e motivar as equipes para baterem suas metas com mais consistência.

John Doeer, autor do livro Measure What Matters levou o conceito de OKR para empresas como o Google e Intel e é considerado o guru nesse assunto. Ele acredita que para as empresas terem sucesso é necessário ter as pessoas, as razões e as metas corretas, mas que nada disso importa se não tiver uma execução excepcional.

Aqui na Pipefy, nós entendemos que os OKRs são essenciais para nos ajudar a criar uma “máquina” que traz resultado e acelerar o crescimento que precisamos ter, afinal, como diz Doeer, muitas empresas deixam de bater metas porque não estão olhando para o que realmente importa. Mas, afinal, o que é um OKR?

OKR é a soma de objetivos e resultados-chave. Objetivos correspondem à direção que a empresa quer tomar e segundo a metodologia devem ser significantes, inspiracionais, concretos e orientados pela ação. Já os resultados-chave expressam o que foi feito (e o que não foi feito, também) e eles devem ter limite específico e de tempo; são agressivos, mas realistas; são mensuráveis e verificáveis. Os OKRs são essenciais para deixar transparente para toda a empresa onde ela quer chegar.

O objetivo corresponde ao "o quê" e os resultados-chave correspondem ao "como", mas o mais importante é o "porquê", uma vez que ele transmite o propósito que está por trás dos objetivos setados - ele vai encantar, inspirar e levar as pessoas alinhadas nessa jornada. Na imagem a seguir montamos um exemplo de planilha que vocês podem usar para gerenciar os OKRs da sua empresa:

Tendo os OKRs definidos um dos questionamentos que vêm a seguir é como fazer para que a equipe alcance o que foi definido e qual é o papel do líder nesse processo.

Para entender melhor como isso acontece aqui na Pipefy conversamos com dois líderes que têm ritos muito bacanas para ajudar o time a bater as suas metas:

O Giovanni Riva, líder dos SDRs (Sales Development Representative), responsáveis pelo primeiro contato com quem se cadastrou na nossa plataforma, trabalha com uma equipe muito jovem cuja maioria tem a Pipefy como primeira experiência de trabalho. Por isso, para ele é essencial que a equipe esteja totalmente engajada e saiba onde precisa chegar.

"A missão, o mindset, da área é essencial para o trabalho dar certo. Nós temos um trabalho cujo resultado é muito ambicioso e se a equipe não tiver muito bem definido onde quer chegar, a motivação cairá por terra". Por isso, o "porquê" é tão importante, sem ele não há um norte no trabalho e as pessoas não entendem os motivos de executar tais ações.

No trabalho de liderança da equipe e implementação dos OKRs o Giovanni pontuou que a equipe precisa estar envolvida em todas as definições, pois os OKRs são da equipe e não apenas do líder. O papel da liderança é balizar e direcionar a discussão, pois é necessário escutar quem está no campo para entender quais são as suas dificuldades, inseguranças e ambições.

Além disso, é necessário ter um prazo muito visível para se alcançar os objetivos e eles não podem ser nem muito curtos (pois dentro do objetivo sempre haverá um conjunto de ações mais desafiadores) e nem muito longos (senão a equipe perde referência). Além disso é preciso sempre ter evidências - métricas - das ações, para saber como está o andamento do resultado e não trabalhar com "achismos".

Como líder da área, o Giovanni tem os seguintes rituais para motivar e ajudar a equipe a chegar nos resultados necessários:

  • Reunião diária de meia hora para conversar sobre as ações que estão sendo feitas - totalmente focadas em produção e execução;

  • Reunião semanal focada em produção e eficiência para analisar quais são os gargalos do funil da área e entender o que está contribuindo e o que está prejudicando a equipe de chegar nos resultados esperados;

  • Reunião mensal para rever todos os resultados, pontos positivos, dificuldades e setar o ritmo do próximo mês.

Para motivar a equipe ele ressalta a questão da definição da missão da área, que precisa ser clara, autêntica e coletiva (não significa que todo mundo vai ficar feliz, mas todos têm que contribuir e saber que é o melhor para o time) e, além disso, ele engaja o time através do sonho grande de cada um conversando individualmente sobre como o trabalho vai ajudar e potencializar a pessoa a alcançar seus maiores sonhos (isso é muito importante aqui na Pipefy).

O Pedro Tosin, líder da equipe Inbound de vendas, responsáveis por vender o Pipefy para quem se cadastrou na nossa plataforma, trabalha com uma equipe sênior e têm dois rituais importantes para manter os executivos no rumo certo:

  • Reunião semanal para analisar o pipeline de vendas do time e identificar quais são as principais dificuldades que estão tendo;

  • Todas as empresas que o time está negociando são escritos em um grande quadro branco, para ficar visual e transparente para todos.

Para motivar a equipe, o Pedro trouxe alguns pontos importantes para uma boa atuação do líder:

  • Comemore as conquistas (desde pequenas coisas até grandes conquistas). "Aqui na Pipefy nós temos uma buzina para tocar sempre que fechamos um novo cliente ou quando alcançamos uma vitória importante. Todo mundo bate palma, comemora e é a maior festa";

  • Mostrar o objetivo e o propósito da área de forma clara para todo o time;

  • Parabenizar cada um do time pelas conquistas e reconhecê-los na frente dos outros. Gestão baseada em exemplos sempre funciona bem;

  • Ter claro o objetivo de cada pessoa do time para saber onde eles querem chegar. E quando eles chegarem lá é muito importante ter um reconhecimento da empresa, como um aumento ou uma promoção;

  • Inspirar sendo exemplo; acreditar e agir da forma que se fala e prega, sempre alinhado com a cultura da empresa;

  • Quando todos estão em uma situação muito complicada, o líder deve ajudar o time dando ferramentas ou até mesmo colocar a mão na massa.

Essas práticas estão ajudando a Pipefy a atingir os seus objetivos e ter uma equipe engajada com os nossos desafios e sonho grande. O papel das lideranças é essencial nesse processo, por isso, ao compartilharmos essa “receita” do que aplicamos na Pipefy queremos ajudá-los a alcançar os seus objetivos e sonhos. Estamos de portas abertas para benchmarks e bate-papos para apoiá-los nessa incrível jornada.

---

E quando essas dicas começarem a gerar resultados incríveis na sua EJ (não se assuste ... vai ser mais rápido do que você pensa), não deixe de compartilhar na Plataforma de Benchmarking do MEJ.