Desafio de Inovação COVID-19

Thuany Gibertini
Thuany Gibertini
O que foi o desafio de inovação aberta COVID-19 da Brasil Júnior?

Você já parou para pensar em todo impacto positivo que o conhecimento gerado dentro dos muros das universidades poderia causar no nosso país? E agora em meio a uma pandemia o quanto os pesquisadores especializados em diversas área estão trabalhando e com investimentos poderiam ir ainda mais longe com diferentes soluções?

Nós da Brasil Júnior já! No último mês rodamos o projeto: Desafio de Inovação Aberta - Covid-19 que trazia a seguinte questão: Como o MEJ pode ajudar Governos a solucionar os desafios causados pela crise?

Diantes dessa questão provocamos empresários juniores do país inteiro a pensar projetos que fossem alternativas para evitar o contágio, colaborar com prevenção da contaminação ou ainda minimizar impactos econômicos focando em MPEs.

Detalhe para entrar no desafio o projeto precisava ser compartilhado, ou seja ser executado por no mínimo duas empresas juniores federadas. As empresas juniores inscritas receberam mentorias de pós-juniores e do próprio Time BJ antes mesmo do envio das propostas.

Foram 173 empresa juniores inscritas, 85 mentorias e 60 propostas aprovadas. As propostas aprovadas foram avaliadas diante de quatro categorias: inovação, impacto, viabilidade e escalabilidade. Os cinco projetos com maior pontuação foram para a final apresentar um pitch para representantes da Movile, da equipe de inovação da MAG Seguros e um pós-júnior que hoje atua na Secretaria de Saúde de Minas Gerais.

O projeto vencedor foi o OniPlus da FAUUSP Jr, empresa júnior de arquitetura da USP de São Paulo, em conjunto com a EJEM, empresa júnior da Mackenzie. O OniPlus é uma proposta para tornar a viagem de ônibus mais segura para passageiros e colaboradores, colaborando na prevenção do contágio do coronavírus no transporte público.

A solução proposta pelas empresas juniores paulistas seria um conjunto de aparelhos alterações nos ônibus utilizados para transporte público, essas alterações podem ser aplicadas separadamente colaborando para a viabilidade do projeto.

Dentre esses incrementos estão o reposicionamento da catraca e do cobrador, uma cabine de proteção para cobrador e o motorista, a aplicação de termômetros a laser na entrada dos ônibus, o uso de marcações no piso e nas barras de apoio com uma distância mínima de 1,5m, um design inovador para os assentos e até mesmo um método de esterilização instalado nos terminais dos ônibus.

Na proposta os estudantes explicam: para projeções de custos, prazos e resultados de uma possível implementação, foi considerado um MVP (minimum viable product) para a RMSP (Região Metropolitana de São Paulo), que conta com uma frota de aproximadamente 14 mil veículos do tipo.

Mas essa ideia vai ficar só no papel? Faremos o possível para que não! A equipe que desenvolveu o projeto está recebendo uma mentoria da ACE, aceleradora de startups. A ideia é refinar o produto e preparar tudo para a reunião com possíveis compradores. Esperamos que você tenha a oportunidade de entrar em um OniPlus em um futuro breve!

 

Quer saber mais sobre o projeto vencedor do nosso desafio? Assista ao vídeo do OniPlus: https://www.youtube.com/watch?v=0Y4sscDIQ9E&feature=emb_logo

Thuany GibertiniThuany Gibertini, 23 anos, pós-júnior da FEJESP. Formada em jornalismo pela UNESP de Bauru e apaixonada pela comunicação e por comunicar. Concorda com Dumbleodore ao acreditar que as palavras são a nossa inesgotável fonte de magia.
Thuany Gibertini
Thuany GibertiniThuany Gibertini, 23 anos, pós-júnior da FEJESP. Formada em jornalismo pela UNESP de Bauru e apaixonada pela comunicação e por comunicar. Concorda com Dumbleodore ao acreditar que as palavras são a nossa inesgotável fonte de magia.